quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Caiu um guerreiro

Botafogo luta, pelea, mas é derrotado pelo Grêmio e dá adeus ao sonho da Libertadores

O jogo na Arena Grêmio teve todos os ingredientes previstos: luta, garra, certa rispidez e um time pior tecnicamente mas imensamente bem organizado pelo seu técnico: o Botafogo.

A derrota por 1x0 não pode ser considerada injusta pois justiça e futebol são duas palavras que jamais estarão em concordância em um mesmo texto. Os 2 times tiveram chances, bolas na trave, erros, jogadas coletivas (principalmente o Botafogo), amarelos (8 no total) e uma entrega impressionante.

Mas não vou falar sobre o jogo em si, isso outros site fazem muito melhor do que eu. Quero enaltecer esse time do Botafogo. Um time que, quando pegamos a escalação, não acreditamos que tem feito o que faz. Um time que abre mão da bola para marcar forte, ocupar espaços como nenhum outro no futebol brasileiro e sair rapidamente para o ataque. Um time absurdamente organizado pelo jovem Jair Ventura.

Foto: Espn.com.br
Jair conseguiu colocar esses jogadores em um nível de entrega que TODOS eles estão entregando ao Botafogo mais do que podem. Fazendo um paralelo com a Fórmula 1, é como um piloto (eu ia citar nome mas a crise cognitiva que assola o país ia me encher o saco) com um carro mediano, estivesse sempre na zona de pontos e muitas vezes no pódio.

Em grave crise financeira, como quase todos os grandes clubes do Brasil, o Botafogo montou o time que era possível para 2017. Teve ainda a perda do cara que deveria comandar o elenco dentro de campo, o argentino Montillo, que se aposentou. Jair Ventura, que assumira após a demissão de Ricardo Gomes e tirou o Fogão do Z4, levando a Libertadores, conseguiu transformar um grupo de Saubers em um time de RBRs. O time voa em campo.

O botafoguense está chateado. Ao chegar ao trabalho uma amiga me disse "Estou de luto hoje". Uma eliminação em Libertadores sempre enluta a gente. Mas, minha amiga, esse luto terminará quando você se lembrar da postura brava, corajosa, do time do Botafogo que encara qualquer um de frente, sem medo. O botafoguense tem que se orgulhar do "timinho" que tem.

Esse "timinho" é GIGANTE, GUERREIRO!

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

FLU precisa começar planejamento de 2018. Sem Abel Braga

Erros nas substituições de Abel Braga já causam desgaste de sua imagem com parte da torcida


Em 2012 escrevi o texto A insustentável burrice de um ser, sobre as substituições equivocadas de Abel Braga na eliminação da Libertadores daquele ano para o Boca Juniors, no Engenhão. 5 anos depois, analisando o histórico do técnico, os erros são os mesmos. Basta dizer que, jogo caminhando para os pênaltis, ele tira Rafael Sóbis e coloca Marcos Junior aos 44 minutos do segundo tempo. 1 minuto depois, com Thiago Neves de Lateral esquerdo (veja os gols aqui), Santiago Silva fez o gol que nos eliminou da Libertadores daquele ano. Sem contar que, aos 29, tirou o bom batedor de penais Wagner e colocou Wellington Nem mas essa mexida até passa como tentativa de fazer o segundo e classificar sem pênaltis.

Foto: Gazetapress

O JOGO

Ontem, contra o Atlético-PR, na Arena da Baixada, tivemos mais uma atuação patética do time e mais substituições inaceitáveis. O time começou com a mesma formação dos últimos jogos, num 4-3-2-1 e com o primeiro grave equívoco: Wellington Silva pela direita. O time, como sempre, não teve objetividade e ficou no Abelbol, zagueiro-toca-pra-zagueiro-que-devolve, e praticamente nada criou. O Furacão também não criou muito mas ficou o tempo todo mais próximo da meta de Julio Cesar. Até que, aos 47 minutos, Scarpa cobrou escanteio e Henrique Dourado abriu o placar.

Veio o segundo tempo e o FLU não mudou sua postura. Continuou sem ocupar os espaços, com a última linha sempre dentrou ou próxima da área e sem formar a segunda linha, uma bagunça tática completa. Aos 12 veio o empate em falha dos jogadores que compuseram a barreira e abriram. Aos 25 minutos começa o show de horrores do Abel. Tira Wellington Silva e coloca Peu passando assim a jogar com 2 centroavantes (o FLU só tinha criado UMA chance pro Ceifador). 2 minutos depois Richard (que fazia uma estreia honesta) sentiu e Abel colocou Renato que não marca, não apoia, não vai ao fundo, não faz nada. O golpe final foi aos 31. Henrique Dourado saiu para a entrada de Marcos Junior (lembra dele no primeiro parágrafo desse texto?). 3 minutos depois tomamos a virada.

Figura postada pelo perfil do Fluminense no twitter com escalação e banco
Alguns dirão que Abel não tem opções. Ah! Tem sim. No banco estavam Sornoza e Luquinha. 2 meias que poderiam ajudar Scarpa a criar as jogadas e a segurar a bola no ataque. Mas ele preferiu colocar Marcos Junior como fez em 37 vezes esse ano. Por mais que hajam desfalques sérios como Henrique, Douglas e Orejuela, os 2 armadores estavam ali, prontos pra entrar e ajudar mas Abel preferiu colocar 2 dos jogadores mais inúteis do elenco e um segundo centroavante pra ficar correndo feito louco.

Criaram alguns mitos e parte da torcida comprou:


  • "O elenco é ruim": MENTIRA! Vários jogadores do elenco tiveram propostas do exterior como Leo, Calazans, Scarpa, Dourado, Wendel, Wellington Silva e Richarlison. Apenas o  último saiu de fato. Além disso, na humilde opinião deste blogueiro, apenas Palmeiras, Flamengo, Galo e Cruzeiro têm elencos melhores que o nosso.
  • "É um time de meninos": MENTIRA! Ontem, mesmo com desfalques de Henrique, Renato Chaves e Lucas, a média de idade dos jogadores que atuaram foi de 23,8 anos. Há vários oriundos de Xerém (e isso é muito bom) mas não há ninguém com 17, 18 anos jogando. Para exercitar a comparação, o time titular do FLU campeão carioca de 1983 tinha média de idade de 23,5 anos.
O que nos falta de verdade é um técnico que seja atualizado, que trabalhe um esquema moderno e não esse toca-toca entre zagueiros pra depois alguém sair em disparada com a bola. Precisamos de alguém que possa de fato promover a união do trabalho tático do time profissional com a categoria de base, como fazem os clubes europeus. Esse cara não é o Abel. Abel é um cara do bem, um cara legal, um paizão para muitos jogadores mas o FLUMINENSE precisa de mais do que isso. Precisa de alguém que faça esse bom elenco jogar de maneira moderna, que aproveite o talento de jogadores como Scarpa, Wellington Silva, Sornoza, Wendel em favor do time. Chega de posse de bola inútil no toca-toca entre os zagueiros. Chega de buracos imensos no meio-campo. Chega de ver a última linha dentro da área. Chega de não ver a segunda linha formada. Chega!

É hora de planejar 2018. Temos uma base boa e, mesmo com os problemas financeiros, é possível termos um 2018 muito melhor que 2017. Mas esse planejamento não existirá com Abel Braga. Com todo respeito ao ser humano Abel Braga. Com mais respeito por ele ainda depois da tragédia que acometeu sua família. Mas não querendo que a tragédia do rebaixamento caia sobre o Fluminense mais uma vez.

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

São Paulo e a cartilha do rebaixamento


A crise não parece ter fim no São Paulo. Nesse sábado um empate com sabor de derrota no Morumbi, após estar ganhando por 2 a 0 o time cedeu o empate para a Ponte Preta em 2 a 2 e permanecendo na penúltima colocação do Brasileirão. É bem verdade que os gols foram na genial cobrança de falta do Hernanes e uma falha grotesca do goleiro Aranha, o time não vinha criando muitas chances além disso, mas não sabe segurar resultado quando está na frente, o que era um resultado maravilhoso passou a ser desastroso com a expulsão do Jucilei no pênalti a favor da Ponte, aí saiu o gol e logo depois o empate (podendo até ser pior). Mais um resultado da famosa "cartilha do rebaixamento" que todo clube grande já passou quando acabou sendo rebaixado no final do campeonato.

O que vem salvando o São Paulo é a presença em peso da sua torcida nos jogos no Morumbi, mesmo que os resultados muitas vezes não acontecem, estão apoiando nesse momento difícil e o talento do Hernanes que marcou gols e deu assistências importantes pro time não estar ainda pior na classificação. O técnico Dorival Jr. vem cometendo os mesmos erros de Rogério Ceni que é o da teimosia de manter jogadores que não estão bem no time titular como Rodrigo Caio e Cueva. É bem verdade que o desempenho que o time até melhorou o desempenho ofensivo (muito graças ao Hernanes), mas piorou consideravelmente o desempenho defensivamente, hoje é a terceira pior defesa do campeonato e levando pelo menos um gol há OITO(!) rodadas, o time não sabe jogar retrancado quando necessário e não sabe segurar o placar quando está na frente. Pra falar a verdade é um problema que vem desde Rogério Ceni no começo do ano o time sofria muitos gols para equipes mais fracas no Paulista e nas primeiras fases da Copa do Brasil.

Mas o principal motivo da atual situação do Tricolor Paulista tem nome: O presidente Leco e a diretoria. Trocam o time todo praticamente no meio da temporada, vendem fácil demais os jogadores (principalmente aqueles que tem um bom potencial da base), além de serem omissos nos momentos complicados, não duvido que se o rebaixamento vier eles culpem o técnico e não assumam a responsabilidade. É bem verdade que as más administrações dos presidentes anteriores também tem a sua parcela de culpa, ajudaram o clube a perder o papel de PROTAGONISTA pra ser um COADJUVANTE em 10 anos, desde 2008 o único título do São Paulo foi a Sul-Americana de 2012 e nesse mesmo período viu o seus principais rivais serem protagonistas e acumularem títulos.
Infelizmente o hino nunca fez tanto sentido: "SALVE o tricolor paulista", "As tuas glórias vêm do passado".

sábado, 26 de agosto de 2017

Desculpe o transtorno preciso falar do Abel.

Meu nome é Roberta, 17 anos, tricolor e eu sou nova aqui no blog, espero que gostem e que, caso não aceitem, possam refletir sobre o que vou dizer aqui.

Então, no dia de hoje, dia do clássico Fluminense x Vasco, posso dizer que acordei confiante como muitos de vocês e passei o dia tranquila por pensar que a vitória seria relativamente fácil, pois cá entre nós, o Fluminense é muito mais time. Mesmo assim conseguimos perder pra um time que trocou de técnico com 5 rodadas consecutivas sem ganhar.
Triste pensar que perdemos pra um time que só se defendeu e achou um gol, mas a culpa de termos perdido não é porque o Vasco estava jogando fechado, é porque o Fluminense é um bando dentro de campo e a culpa é, infelizmente, de quem comanda o time mas não o treina.
Abel... Assim como eu, acredito que muitos torcedores amam a pessoa que ele é, por tudo que já fez e pelas formas que demonstrou ter um carinho enorme pelo Fluminense, mas se todos fossem torcedores realistas como eu deixariam o sentimentalismo de lado e veriam o que eu vejo, um time totalmente despreparado e sem comunicação em campo.
Dentro de campo são os jogadores os responsáveis pelos lances e muitos desses jogadores estão irritando profundamente a torcida. Mas gente, ACORDEM, quem auxilia eles fora de campo é um cara chamado Abel Braga e que mostra a cada jogo que não sabe treinar um time.
Independente do elenco que o Fluminense disponibiliza, ele (Abel) tem que treinar um time que saiba atacar e saiba se defender, é o mínimo. Um mínimo que o elenco do Flu não sabe fazer, e a culpa não é só dos jogadores.
Nós não vemos uma linha de marcação, vemos jogadores totalmente enrolados e fora de suas posições.
Nós não vemos um time que se aproxima pra pegar a bola, vemos zagueiros sendo obrigados a lançar a bola ou dar "chutões" para a frente.
Nós não vemos um time que sabe tocar bem a bola e criam boas chances de gols, vemos um time onde um fica próximo demais ou longe demais do outro.
Um time desse esse ano é para se contentar com meio de tabela e nenhuma classificação pra nenhum campeonato de expressão, consequentemente levando a outro problema que é o patrocínio, que não virá.

A LDU vem aí, um dos nossos maiores rivais na história do Fluminense, e vocês estão confiantes ou seguros de que dessa vez o jogo vai virar? Porque eu, Roberta, estou é morrendo de medo.

VAMOS ACORDAR TORCIDA. VAMOS ACORDAR FLUMINENSE.