sexta-feira, 13 de julho de 2018

Combatendo as fake news no FLUMINENSE

O pior inimigo do FLUMINENSE se diz tricolor


Fake News é uma praga que vem na esteira das redes anti-sociais e do efeito manada que elas produzem. É comum ver postagens no Facebook, por exemplo, falando coisas absolutamente absurdas e falsas e termos várias pessoas compartilhando como se fosse a mais absoluta verdade. E isso acontece em todas as áreas, principalmente na política e social.


Mas quem acha que o futebol está imune a isso está muito enganado. Há uma fake news, muito compartilhada por tricolores, que diz que mudaram o regulamento do campeonato brasileiro de 1995 durante a competição para beneficiar o Flamengo. Não é verdade. Como essa, outras centenas circulam pelas redes e ganham ares de verdade a cada compartilhamento. 

A fake News é sempre criada por pessoas de pouco ou nenhum caráter que têm interesses não confessáveis dentro da política, da sociedade, no futebol ou no FLUMINENSE. No tricolor há até "portal" especializado em produzir/compartilhar fake news que tumultuam o ambiente de um clube que precisa de união para continuar existindo e forte.

Enquanto o FLUMINENSE precisa gerar novas receitas e lidar com dívidas produzidas por gestões passadas, esses pseudo tricolores passam a vida criando notícias falsas (Fake News) com objetivo meramente de obter o poder no clube, custe o que custar. Apostam no quanto pior melhor. E, o que dá mais tristeza ainda, conseguem o Efeito Manada na torcida que outrora era considerada elite intelectual do país.

Vamos então desfazer as últimas mentiras contadas e replicadas pelo Efeito Manada:

  • Atualmente, os Direitos de Imagem estão em dia e o Tricolor deve 1 mês de CLT que venceu no dia 06 de julho e apenas para os que ganham acima de R$ 5000,00
  •  O FLUMINENSE NÃO adiantou cota de 2022. Quem inventou isso joga contra o FLUMINENSE de maneira descarada. O que há é comprometimento de parte de cota futura por conta de acordos como o Trabalhista, por exemplo. Ou seja, quando a cota entrar nos cofres do clube, parte dela vai para o cumprimento dos acordos.
É fundamental que o torcedor fuja do Efeito Manada e busque as informações para além do tal "portal" e de politiqueiro de redes anti-sociais. Eles só querem o poder (sabe-se lá com quais objetivos). O torcedor quer um FLUMINENSE forte e campeão. E para isso, caro tricolor, só conseguindo novas receitas.


Por isso, se você quer ajudar de verdade o FLUMINENSE, se associe. Clique AQUI e exerça a sua cidadania TRICOLOR. Há planos a partir de R$ 9,90 e que ajudam e muito o FLUMINENSE a se organizar e a se fortalecer. 

Se você não tem condições de se associar em função dessa crise interminável em que colocaram o Brasil, ajude o FLUMINENSE nas redes sociais. Siga o tricolor em todas elas, curta as publicações, compartilhe os posts do clube que amamos. Seguem os endereços para apoiar o FLUMINENSE nas redes:


Saudações Tricolores

sábado, 7 de julho de 2018

A mania pacheca de buscar culpados

Brasileiros não conseguem analisar as coisas e buscam culpados e heróis


Após a eliminação da seleção brasileira da Copa do Mundo da Rússia, começaram as buscas frenéticas por culpados. Como sempre o brasileiro, pacheco no futebol e coxinha na política, busca culpados e heróis para tudo. Dessa vez não seria diferente e as redes anti-sociais mostram que o pior do Brasil é o brasileiro.

Imagem: Revista Piauí
De Tite a Neymar, passando por Alisson, Marcelo, Fagner e Fernandinho, os pachecos culpam todo mundo. Só não conseguem pensar que o grande problema do futebol brasileiro se chama CBF. Essa entidade que tem ex-presidente preso, outro investigado e outro banido do futebol destroi os clubes brasileiros e o futebol praticado no Brasil por conchavo/conchavo/cumplicidade com as nefastas Federações e seus nefastos estaduais.

Não fosse Tite a seleção brasileira sequer chegaria a Copa do Mundo. Seria, pela primeira vez, eliminada nas eliminatórias mais fáceis do mundo. Alisson pode não ser o melhor goleiro brasileiro (acho o Ederson melhor) mas é um goleiro já consagrado na Europa. Neymar, a despeito de ser moleque no pior sentido da palavra, é um craque, Gabriel Jesus é um grande atacante, Marcelo é o melhor lateral esquerdo do mundo e Fernandinho e um baita volante que não teve NENHUMA CULPA na eliminação do time do Tite.

A seleção brasileira enfrentou um grande adversário que tem a sua melhor geração de todos os tempos. A única culpada pela eliminação do Brasil é a Bélgica de 2 cracaços que são Hazard e De Bruyne. Um time que jogou uma partida quase perfeita. 

Há coisas a melhorar? Claro que sim. Há culpados? Só na cabeça doentia de um povo que não ama futebol. Que só ama vencer e que sequer se importa com a forma que obterá essa vitória.

sexta-feira, 6 de julho de 2018

4 anos sem Assis

Benedito de Assis da Silva! PRESENTE


A História do FLUMINENSE, um dos maiores clubes do mundo, tem personagens incríveis e que fizeram a História do futebol brasileiro. Desde o multi-atleta Preguinho, passando pelo elegante Marcos Carneiro de Mendonça, pelo Fio de Esperança, entre outros. Mas, no imaginário coletivo do tricolor, poucos têm a importância que o Carrasco Assis.

Assis chegou ao tricolor como contra-peso da contratação do centroavante Washington, destaque da grande campanha do Atlético-PR no campeonato brasileiro de 1983. E logo a parceria, que veio do Paraná, virou casamento no Tricolor. Assis e Washington passaram a ser chamados de casal 20 (referência a um seriado da época) tamanho o entrosamento que demonstravam dentro de campo.


Pelo Fluminense, Assis estreou no dia 02 de julho de 1983 em São Januário, na vitória por 3x0 sobre o São Critóvão. E fez seu último jogo pelo Tricolor no dia 25 de outubro de 1987, pelo campeonato brasileiro (Copa União), na vitória sobre o Vasco por 2x0. Ao longo desses pouco mais de 4 anos, foram 180 jogos (177 como titular) com 95 vitórias, 55 empates e 30 derrotas. Marcou 57 gols, sendo 2 que o alçaram a condição de mito.

Em 11 de dezembro de 1983, o Fluminense disputava seu segundo jogo no triangular final do campeonato carioca. Após empatar com o Bangu (1x1), o Tricolor precisava vencer o Flamengo para seguir vivo na disputa do título. O jogo, com chuva, foi duro, violento até. Mas, aos 45 minutos do segundo tempo, Delei lançou Assis livre pela direita e ele tocou na saída do goleiro Raul para loucura da torcida tricolor no Maracanã. 

No ano seguinte, novo Fla-Flu, 150 mil pessoas no Maracanã e a história se repetiu. Num jogaço com muitas chances para os dois lados, coube a Assis decidir o jogo. E foi uma linda jogada trabalhada desde o campo de defesa com Duilío, passando por Renê, que acionou Aldo pela direita. Este fez um passe (não um cruzamento) milimétrico para a cabeçada cheia de estilo do Carrasco. GOLAÇO que Fillol ficou só olhando. Eram 30 minutos do segundo tempo e Assis garantia o BI-campeonato carioca para o Tricolor. 


Há 4 anos esse paulista que nasceu em 12 de novembro de 1952 nos deixava, vítima de insuficiência renal. Partiu ao encontro de Washington que falecera 33 dias antes para reeditar o casal 20 no céu. A saudade é eterna mas o agradecimento também. OBRIGADO, CARRASCO!

Benedito de Assis da Silva. PRESENTE!

quarta-feira, 4 de julho de 2018

Oposição quer destruir o aniversário do Fluminense

Na estratégia do quanto pior, melhor, promessa de guerra na Flufest


Essa não é a primeira crise que o Fluminense vive e não será a última. O problema do Fluminense é gerar novas receitas e isso só se dará com a participação da outrora mais bela torcida do Brasil. A associação, a presença nos estádios, a compra de material oficial viabilizam o clube financeiramente. A interação positiva com os canais do clube nas redes sociais (Youtube, Instagram, Twitter e Facebook) ajudam o clube no posicionamento no mercado e até em melhores patrocínios.

Apologia a violência feita por um "tricolor". 
Mas o fato é que a torcida que sempre encheu a boca para se dizer a elite financeira e cultural e chamar outras torcidas de inferiores (flamenguistas chamados de Molambos e flavelados, por exemplo), mostra-se uma torcida facilmente manipulável, sem competência e capacidade de separar alho de bugalhos.

O que se viu na noite de terça-feira na Rua Álvaro Chaves é digno de facção criminosa. Bombas, tiros, pedras voando, lixeiras queimadas e tentativa de invasão de nossa sede escreveram mais uma página triste de nossa história. As autoridades, se quiserem, têm fartura de fotos e vídeos para identificar os vândalos e os prender. Mas é fundamental também investigar as relações desses vãndalos com os grupos políticos do clube.

Ao fomentar o discurso de ódio e a pregação do golpe no Fluminense a oposição mostrou que não tem nenhum compromisso com o clube e que aposta no caos para ganhar poder. A tentativa de golpe, travestido de pedido de impeachment (tal e qual o de 2016 no país) é uma luta apenas por poder, por usurpar o poder de forma marginal.

Mas o pior é a consequência disso em uma parte grande de torcedores que sequer sabem o que é MatchDay, por exemplo, mas acreditam em tudo que essa oposição diz através de seu portal. A violência de ontem e a promessa de guerra no dia 21 ultrapassam todos os limites da civilidade. Dia 21 é o aniversário do clube e, já tradicionalmente, é realizada a FluFest, festa de aniversário do clube que amamos.

Pois bem, insuflados por essa oposição irresponsável (há opositores que não concordam com a irresponsabilidade desse grupo), acéfalos estão propondo uma guerra que impeça a realização da festa de aniversário do FLUMINENSE. Isso é uma atitude criminosa que esperamos, todos os tricolores honestos, que o clube tome as providências e denuncie à polícia e ao Ministério Público os perfis que estão insuflando a onda de violência contra o FLUMINENSE e seu patrimônio.

Vale lembrar que a FluFest é uma festa que só existe porque é financiada por tricolores através de Crowdfunding e que esse ano bateu 144% da meta estipulada para o evento. Para quem não sabe o que é Crowdfunding, basta clicar AQUI. Então, antes de propor violência (o que, repito, é CRIME), pensem no clube em primeiro lugar e comemorem o aniversário da instituição que dizem amar.

E, parasitas, sumam do FLUMINENSE. Vocês nos levaram a 3ª divisão com o mesmo Modus Operandi de agora. E aos tricolores que não estão em busca do poder peço que pesquisem quem são as pessoas que nos levaram para a terceira divisão e quem são os articuladores do golpe. Mais que isso, entendam que gostar ou não de um governante ou dirigente é um direito mas destruir o patrimônio do clube é crime. Ter uma oposição forte e propositiva é bom para o clube mas ter uma oposição que prega e tenta um golpe, desrespeitando o resultado eleitoral, é uma coisa nefasta para o FLUMINENSE, assim como foi para o Brasil a partir de 2016.